Brasil

CCJ aprova convite ao ministro da Secom para explicar “perseguição” aos opositores



A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (14) um convite direcionado ao ministro Paulo Pimenta, da Secretaria de Comunicação (Secom) do governo do presidente Lula, para ele prestar esclarecimentos sobre a investigação de suposta disseminação de “fake news” acerca da tragédia no Rio Grande do Sul. A audiência está prevista para o dia 28 de maio.

O requerimento foi apresentado pelo deputado Paulo Bilynskyj (PL-SP) e subscrito pelos deputados Zucco (PL-RS), Marcos Pollon (PL-RS), Orlando Silva (PCdoB-SP), Pedro Campos (PSB-PE), Rubens Pereira Junior (PT-MA), Bacelar (PV-BA), Coronel Fernanda (PL-MT) e Chris Tonietto (PL-RJ).

Anteriormente, o requerimento previa a convocação do ministro, no entanto, foi feito um acordo entre oposição e governista para que fosse transformado em convite. O pedido só foi aprovado, depois da retirada de outros requerimentos, que previam a convocação do ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, para tratar sobre o mesmo assunto.

Na justificativa da proposta, Bilynskyj cobra esclarecimentos sobre “o uso da Polícia Federal (PF) para investigar e perseguir opositores que denunciaram falhas e abusos do governo federal na tragédia” e declara que a atitude do governo demonstra “abuso de poder” e “tentativa de censura do cidadão”.

“A presença do ministro para que os devidos esclarecimentos sejam feitos é essencial não apenas para avaliar a legalidade das ações descritas, mas também para garantir que não haja violação dos direitos fundamentais dos cidadãos, particularmente das prerrogativas parlamentares”, explica o deputado.

O pedido de investigação feito por Pimenta e acatado pelo Lewandowski, foi apresentado com a alegação dos impactos “dessas narrativas na credibilidade das instituições como o Exército, FAB, PRF e Ministérios, que são cruciais na resposta a emergências”. Documento enviado à PF lista 11 tópicos reunindo casos de perfis que estariam propagando “falsidades”.

No documento, são listadas 17 publicações que devem ser investigadas “para proteger a integridade e a eficácia das nossas instituições frente a tais crises”. A maioria de perfis de direita.

“Há uma lista de contas, algumas anônimas, outras não, com a descrição das postagens consideradas problemáticas, no entanto, algumas postagens denunciadas se referem a fatos, sendo apenas opiniões críticas ao governo federal”, explica Bilynskyj no requerimento.

Ao receber o convite, o ministro pode comparecer ou não à audiência no colegiado, sem a obrigação de uma convocação. A data prevista para os esclarecimentos é no dia 28 de maio.



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...