Brasil

Fachin arquiva inquérito da Lava Jato contra Renan Calheiros e Romero Jucá



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin arquivou o inquérito que investigava o suposto recebimento de R$ 5 milhões em propina da Odebrecht pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) e pelo ex-senador Romero Jucá (MDB-RR). A decisão foi divulgada pela Corte nesta segunda-feira (21).

Fachin atendeu ao pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para arquivar a ação. A investigação começou em 2017 no âmbito da Lava Jato com base na delação premiada de executivos da Odebrecht (atual Novonor), entre eles Marcelo Odebrecht. Após autorizar a prorrogação do inquérito por ao menos nove vezes, o relator negou seguimento à investigação em fevereiro deste ano.

“Considerando a pendência apenas da diligência indicada pela autoridade policial, entendo desnecessária nova prorrogação do prazo para encerramento das investigações, que perduram por aproximadamente 7 (sete) anos”, disse Fachin em fevereiro. O ministro solicitou um parecer final sobre o caso.

O procurador-geral da República, Paulo Gonet, disse a Fachin que as provas obtidas ao longo da investigação “não são suficientes para o oferecimento de denúncia” contra Jucá e Calheiros e pediu o arquivamento do processo.

Os dois políticos foram investigados por suposto recebimento de R$ 5 milhões em propina para atuar pela aprovação de uma medida provisória (MP) para aliviar os tributos da empreiteira. O caso teria ocorrido em 2014. Jucá e Calheiro sempre negaram as acusações.

“Patente a ausência de interesse do Ministério Público ao manifestar-se pelo esgotamento das linhas de investigação sem corroboração dos fatos investigados (eDoc. 289), o que obsta, pelo princípio acusatório, atuação de prosseguimento por parte do juiz, impõe-se deferir o pedido formulado pela Procuradoria-Geral da República para determinar o arquivamento deste inquérito”, decidiu o ministro.

Derrotas para a Lava Jato

A decisão de Fachin representa uma nova derrota para a Lava Jato. Nesta terça-feira (21), o ministro Dias Toffoli anulou todos os processos e investigações conduzidos pela operação contra o empresário Marcelo Odebrecht. No entanto, o acordo de delação premiada firmado pelo empresário com o Ministério Público Federal (MPF) foi mantido.

O ex-procurador da Lava Jato Deltan Dallagnol (Novo) afirmou, na noite desta terça, que a “corrupção venceu e quem a colocou no pódio foi o STF”.

“Um dos maiores corruptos confessos da história do Brasil, que entregou provas e informações sobre crimes cometidos por autoridades de todos os escalões da República, foi blindado pelo ministro que ele mesmo citou em sua delação”, disse o ex-procurador sob Marcelo Odebrecht, em nota.

Além disso, a Segunda Turma do Supremo derrubou a condenação por corrupção passiva imposta pela Lava Jato ao ex-ministro da Casa Civil José Dirceu (PT).



Source link

Artigos relacionados

Michelle Bolsonaro diz apoiar Ricardo Nunes à reeleição

Michelle Bolsonaro manifestou apoio à reeleição de Ricardo Nunes, em São Paulo.|...

Paulo Pimenta e Gleisi negam a existência de “gabinete do ódio”

O ministro Paulo Pimenta, que atualmente comanda a Secretaria Extraordinária da Presidência...

Não sabe falar sobre vida

O deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), autor do Projeto de Lei (PL)...

54% reprovam segurança, gastos e programa de moradias de Lula

Pesquisa revela novos indies elevados de reprovação em setores do governo Lula.|...