Brasil

Governo dá ultimato à greve das federais e irrita sindicato: “autoritarismo”



O
Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos descartou a
possibilidade de continuar as negociações sobre reajuste salarial dos
professores federais em greve, e exigiu a assinatura de um acordo até a próxima
segunda (27). Em email enviado aos sindicatos, a pasta reafirmou que a proposta
final foi apresentada em uma reunião no dia 15 de maio, estabelecendo reajuste
de 4,5% ao ano para 2025 e 2026.

A
posição do governo irritou o comando grevista do Andes, o Sindicato Nacional
dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. A entidade classificou o
ultimato do ministério como “autoritarismo”.

“Esclarecemos
que em reunião da mesa realizada no dia 15/05/2024, o governo apresentou a sua
proposta final e foi acordado com as entidades representativas dos servidores e
servidoras, docentes das universidades públicas federais, que a proposta seria
submetida às assembleias da categoria e que o encontro do dia 27/05 seria
convocado para assinatura do Termo de Acordo, não restando, portanto, margem
para recepção de novas contrapropostas”, afirmou o ministério.

Os servidores reivindicam aumento já em 2024, com readequação de 7,06%, seguido de 9% em janeiro de 2025 e 5,16% para 2026.

O presidente do Andes, Gustavo Seferian, decidiu manter a paralisação e criticou a proposta do governo.

“Quando o governo passa a agir de forma ultimatista, fere princípios elementares do movimento sindical e da negociação coletiva. Nós queremos negociar, seguir um bom compasso de partilhas entre propostas e contrapropostas que se estabeleceu na greve, e caso a base da categoria entenda por apresentar uma nova contraproposta, será essa nossa ação no dia 27 de maio”, pontuou.

Em
nota, o Ministério da Gestão reiterou que o email teve como objetivo reafirmar
o entendimento já estabelecido com as entidades. O Ministério da Educação (MEC)
afirmou estar sempre aberto ao diálogo pela valorização dos servidores, embora
a postura da gestão tenha gerado insatisfação entre os grevistas.

Professores de universidades, centros de educação tecnológica e institutos federais das cinco regiões do país iniciaram a greve em 15 de abril, exigindo recomposição salarial e investimentos nas instituições, que alegam ter sido sucateadas durante o governo Jair Bolsonaro (PL).

Desde então, mesas de negociação têm ocorrido, com participação do MEC e do ministério responsável por serviços públicos, mas todas as propostas foram rejeitadas pelos educadores.

Ari
Loureiro, representante do Comando de Greve da Associação de Docentes da
Universidade Federal do Pará (Adufpa Seção Sindical), declarou que o grupo está
com 58 instituições paralisadas e que “não vamos nos intimidar com uma
declaração que não representa uma perspectiva democrática”.


Francieli Rebelatto, secretária-geral do Andes-SN, acrescentou que “a ameaça do
governo reforçando ultimato para finalizar processo de negociação no dia 27,
aprofunda o desrespeito do governo com os trabalhadores (as) da educação”.

A postura do governo tem sido vista pelos membros do sindicato como um fator que fortalece o movimento grevista e enfraquece o discurso pró-educação da administração petista. A expectativa agora se volta para o dia 27 de maio, data limite para a assinatura do acordo, enquanto os professores permanecem firmes com as reivindicações.



Source link

Artigos relacionados

Michelle Bolsonaro diz apoiar Ricardo Nunes à reeleição

Michelle Bolsonaro manifestou apoio à reeleição de Ricardo Nunes, em São Paulo.|...

Paulo Pimenta e Gleisi negam a existência de “gabinete do ódio”

O ministro Paulo Pimenta, que atualmente comanda a Secretaria Extraordinária da Presidência...

Não sabe falar sobre vida

O deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), autor do Projeto de Lei (PL)...

54% reprovam segurança, gastos e programa de moradias de Lula

Pesquisa revela novos indies elevados de reprovação em setores do governo Lula.|...