Brasil

Mendonça vota para rejeitar queixa de Bolsonaro contra Janones



O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) André Mendonça votou para rejeitar a queixa-crime do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) contra o deputado André Janones (Avante-MG) por suposta calúnia e injúria. O julgamento ocorre no plenário virtual da Corte e está previsto para terminar nesta sexta-feira (14).

Na ação, a defesa de Bolsonaro afirmou que Janones praticou crime de calúnia ao imputar ao ex-presidente “falsamente o crime de homicídio, quando afirmou que o ‘capitão’ matou milhares na pandemia”. Já o crime de injúria teria ocorrido, segundo os advogados, quando o parlamentar chamou o ex-mandatário de “assassino”, “miliciano”, “ladrão de joias”, “ladrãozinho de joias” e “bandido fujão”.

Para Mendonça, as declarações questionadas estão protegidas pela imunidade parlamentar. Ele destacou que a imunidade prevalece quando declarações feitas fora do Parlamento “guardem conexão com o desempenho do mandato” ou “tenham sido proferidas em razão dele”.

Bolsonaro protocolou a ação após Janones fazer postagens no X, entre março e abril do ano passado. O conteúdo foi publicado na véspera e após o depoimento do ex-mandatário à Polícia Federal sobre suposto desvio e venda de presentes oficiais. No conteúdo compartilhado, Janones não citou nominalmente Bolsonaro.

Mendonça afirmou que as falas de Janones “se deram na esteira de renhida disputa político-ideológica, por validação do próprio discurso e ânsia de apresentar aos eleitores postura combativa e crítica do adversário partidário”.

“Nesse sentido, não se mostra, no nosso entender, possível afirmar que as falas do querelado [André Janones] não guardem qualquer relação com seu mandato e que, além disso, também não tenham sido proferidas em razão dele”, acrescentou.

Placar está em 4 a 3

O julgamento no plenário virtual teve início no último dia 7 e deve acabar até 23h59 desta sexta-feira (14). Até o momento, quatro ministros votaram para receber parcialmente a queixa-crime de Bolsonaro e três defenderam a rejeição da ação.

Em abril, a Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu o recebimento da queixa pelo Supremo. O vice-procurador-geral da República, Hindemburgo Chateaubriand, considerou que, “em tese, [Janones] ultrapassou os limites da liberdade de expressão e os contornos da imunidade parlamentar material”.

Chateaubriand destacou que a imunidade parlamentar não pode ser utilizada como escudo para a prática de infrações penais.

No mês seguinte, a relatora do caso, ministra Cármen Lúcia, votou para receber parcialmente a queixa-crime, considerando apenas o crime de injúria. A magistrada considerou que Janones “não atribuiu a Bolsonaro fato específico e determinado que tipificasse infração penal, o que afasta, de pronto, o crime de calúnia”.

Até a tarde desta quinta (13), os ministros Alexandre de Moraes, Flávio Dino e Edson Fachin acompanharam Cármen Lúcia.

Já o ministro Cristiano Zanin abriu a divergência e defendeu a rejeição da ação. Ele enfatizou que as falas de Janones são “reprováveis”, mas estão relacionadas à atividade política e, por isso, protegidas pela imunidade parlamentar. Mendonça e o ministro Dias Toffoli acompanharam o entendimento de Zanin.



Source link

Artigos relacionados

Marina diz que “forças da natureza” afetam planejamento de combate às chamas

A ministra Marina Silva, do Meio Ambiente, afirma que “forças e fenômenos...

Assessor de Lula diz que eleição nos EUA não está garantida após ataque a Trump

O embaixador Celso Amorim, assessor especial do presidente Luiz Inácio Lula da...

Lula diz que Israel faz “massacre interminável” e entidade rebate: “informações falsas”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que Israel sabota...

Ato na Avenida Paulista pede impeachment de Moraes

Milhares de pessoas participaram neste domingo na Avenida Paulista, em São Paulo,...