Brasil

MP pede multa de R$ 25 mil a Lula por pedido de votos para Boulos



O Ministério Público Eleitoral defendeu que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) seja multado em cerca de R$ 25 mil por campanha antecipada. Durante o ato de 1º de maio, o petista pediu votos explicitamente ao deputado federal Guilherme Boulos (Psol), pré-candidato a prefeito de São Paulo.

A prática é vedada pela legislação eleitoral durante a pré-campanha. O parecer do MPE foi apresentado na ação movida pelo partido Novo.

“Esse rapaz, esse jovem, está disputando uma verdadeira guerra aqui em São Paulo. Ele está disputando com o nosso adversário nacional, ele está disputando contra o nosso adversário estadual e ele está disputando contra o nosso adversário municipal”, disse o mandatário na ocasião.

“Ele está enfrentando três adversários e por isso eu quero dizer para vocês, ninguém derrotará esse moço aqui se vocês votarem no Boulos para prefeito de São Paulo nas próximas eleições. E eu vou fazer um apelo, cada pessoa que votou o Lula em 1989, em 1994, em 98, em 2006, em 2010, em 2018 e 2022 tem que votar no Boulos para prefeito de São Paulo”, acrescentou Lula.

Multas diferentes para Lula e Boulos

O promotor Nelson dos Santos Pereira Júnior, da 2ª Zona Eleitoral de São Paulo, não fixou o valor, mas defendeu que a multa aplicada ao presidente deve “se aproximar do máximo legal”. Neste caso, a infração eleitoral pode gerar multa que varia de R$ 5 mil a R$ 25 mil. O parecer foi encaminhado à Justiça nesta quarta-feira (15), informou o Estadão.

“A multa deverá se aproximar do máximo legal, posto que, na qualidade de presidente da República, cargo máximo da Nação, e por ter participado de muitas eleições anteriormente, era esperado o conhecimento da norma e de sua vedação ao pedido explícito de voto naquela ocasião. Também deverá ser levado em conta que a divulgação, em plataforma pessoal (e oficial) do representado Luiz Inácio no Youtube, atingiu número elevado de potenciais eleitores”, disse Pereira.

O MPE solicitou que Boulos também seja condenado, contudo, “a multa deverá ser fixada acima do mínimo legal”. Para Pereira, Boulos “foi o beneficiário direto da conduta e colheu frutos desta indevida divulgação, não se podendo reconhecer que houve ‘repercussão negativa’, como argumentado pela defesa”.

Defesa disse que Lula exerceu “liberdade de expressão”

A defesa de Lula disse que ele estava exercendo o direito à “liberdade de expressão” ao pedir votos a Boulos. O promotor afirmou que a liberdade de expressão não isenta o presidente de cumprir a legislação eleitoral. Já Boulos alegou que não sabia o teor do discurso que seria feito pelo chefe do Executivo no evento.

No último dia 2, a Justiça determinou a remoção do vídeo do canal do presidente no YouTube. A íntegra do discurso foi transmitida pelos pelos canais oficiais do governo federal. O conteúdo foi removido no mesmo dia dos canais no governo. O presidente cumpriu a determinação da Justiça e também excluiu o conteúdo.

Além da pré-candidata do Novo, Marina Helena, o deputado federal Kim Kataguiri (União-SP) e o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), também acionaram a Justiça contra a declaração do presidente. Kataguiri e Nunes também pretende disputar a prefeitura de São Paulo nas eleições deste ano.



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...