Brasil

Oposição busca aprovar PL Antiaborto antes do recesso



Por causa de um grande número de manifestações de protesto e a polêmica na sociedade gerada após a aprovação da urgência do projeto de lei que equipara o aborto após 22 semanas de gestação ao homicídio (PL 1904/2024), chamado de PL Antiaborto, deputados de oposição acham pouco provável que o assunto possa ser votado nesta semana.

Uma ala mais otimista tenta articular junto às lideranças do Congresso uma nova tentativa de colocar a matéria em votação a partir da próxima semana. Eles querem que o assunto vá a plenário antes do recesso parlamentar, marcado para 18 de julho.

O projeto de lei, de autoria do deputado Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), criminaliza o aborto após 22 semanas de gestação. A nova legislação também tornaria ilegal a assistolia fetal — técnica que utiliza medicações para interromper os batimentos cardíacos do feto antes de sua retirada do útero.

A proposta teve sua urgência aprovada na última quarta-feira (12), podendo ser votada no Plenário da Câmara dos Deputados a qualquer momento. No entanto, a pressão feita por críticos do projeto fez com que a votação do texto fosse deixada para outro momento.

Fontes da oposição ouvidas em reserva pela Gazeta do Povo reconhecem que a repercussão impactou uma possível apreciação do projeto nesta semana, mas afirmam que a estratégia da oposição é tentar votar o texto depois que os parlamentares voltarem à Brasília de festividades juninas que ocorrerão no próximo fim de semana. A expectativa é que a Frente Parlamentar Evangélica (FPE) intensifique a pressão sobre a Mesa Diretora da Câmara para que a proposta seja votada.

Mas parte da oposição na Câmara acha que essa perspectiva é muito otimista e a discussão do PL Antiaborto pode ficar para o fim do ano, já que a campanha municipal começa em agosto e os parlamentares mais ligados ao centro não querem entrar em temas delicados antes do pleito.

Votação do PL Antiaborto é resposta ao Judiciário

A tramitação do PL 1904/2024 é vista por congressistas como uma resposta do Legislativo ao Judiciário, que possui um julgamento em curso que pode descriminalizar o aborto.

Apesar de pautas de costumes não serem prioridade de deputados do Centrão, a avaliação por parte da oposição é que o projeto relacionado ao aborto dá uma oportunidade para que os congressistas marquem posição contra decisões do Supremo Tribunal Federal (STF).

Além disso, a eventual votação do projeto é uma reação dos parlamentares pró-vida a uma liminar concedida pelo ministro Alexandre de Moraes ao PSOL, que pediu a suspensão da resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) que impedia o uso da assistolia fetal.

O CFM proibiu o procedimento por ser doloroso e desnecessário, já que bebês com mais de cinco meses podem sobreviver fora do útero e seria possível fazer o parto prematuro. Além disso, com a assistolia, a mulher não deixa de passar por uma espécie de parto do feto morto.

Oposição aproveita desgaste do governo Lula para aprovar pautas de costume

A aprovação da tramitação em urgência do PL Antiaborto, na semana passada, segue na esteira de vitórias obtidas pela oposição contra o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Na última sessão do Congresso Nacional, em 28 de maio, parlamentares de direita conseguiram derrubar os vetos presidenciais à proibição do uso de verbas do Orçamento para um número de ações, incluindo aborto e cirurgia de transição de gênero.

Além disso, a queda da popularidade de Lula em recentes pesquisas também é vista como fator que estimula a oposição a seguir pressionando o Congresso e o governo pela aprovação das pautas de costume.

De acordo com pesquisa publicada pela AtlasIntel no sábado (15), 51% dos brasileiros aprovam o desempenho de Lula. Outros 47% reprovam e 2% não souberam opinar. Em comparação com a pesquisa divulgada em maio, a reprovação do chefe do Executivo subiu 2 pontos percentuais (veja a metodologia abaixo).

Para o cientista político Adriano Cerqueira, docente do Ibmec, a polêmica em torno do PL Antiaborto auxilia a oposição a intensificar o embate contra o governo e projetar sua imagem para o público religioso, que é majoritariamente contra o aborto.

“Lula está em um momento de baixa popularidade, acumulando derrotas no Congresso. Com isso, a oposição viu a oportunidade de avançar a sua agenda, que não é a mesma do governo. Na questão dos costumes, a oposição tem chances de crescer. O aborto é um tema que movimenta muito a opinião pública e unifica, inclusive, católicos e evangélicos”, disse Cerqueira.

Ele reconheceu que o governo também visa se beneficiar dessa discussão para movimentar a base ligada às questões de costumes. No entanto, o movimento se torna mais arriscado por colocar Lula em contraposição com segmentos religiosos.

“No caso do governo, ele encontra a chance de tentar mobilizar um pouco a base petista e parte da imprensa em torno dessa questão. Entretanto, é um tema que tende a desgastar a popularidade de Lula. Vale lembrar que o presidente, na campanha de 2022, se declarou contra o aborto e fez isso sabendo que precisava chegar à maioria do eleitorado, que é bastante sensível nessa questão”, disse o cientista político.

Metodologia da pesquisa citada: O levantamento da AtlasIntel ouviu 3.601 brasileiros, de 7 a 11 de junho. Tem margem de erro de um ponto percentual para mais ou para menos e nível de confiança de 95%.



Source link

Artigos relacionados

Ministro de Lula diz que empresariado não dá bons salários

O ministro Luiz Marinho, do Trabalho e Emprego, diz que a melhoria...

Sem Bolsonaro, PL confirma candidatura de Ramagem no Rio

O deputado federal Alexandre Ramagem foi confirmado nesta segunda-feira (22) como pré-candidato...

Moraes diz que empresas contribuem para “insegurança jurídica”

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes afirmou nesta...

Justiça condenado empresário que hostilizou Zanin em aeroporto

A 6ª Vara Criminal de Brasília condenou nesta segunda-feira (22) o empresário...