Brasil

Pré-candidato do PL em Belém, Éder Mauro nega ser “anticlima”



O ex-presidente Jair Bolsonaro e a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro lançaram no último domingo (30) a pré-candidatura a prefeito de Belém (PA) do deputado federal Delegado Éder Mauro (PL-PA). A motocarreata na capital do Pará com a militância do partido e com os apoiadores bolsonaristas marcou o início da viagem pelo estado do casal, que participou de uma série de eventos eleitorais até a última terça-feira (2).

O deputado Éder Mauro deve polarizar a disputa pela prefeitura de Belém – cidade-sede da 30ª Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP-30) – com o pré-candidato à reeleição Edmilson Rodrigues (Psol), que tem o apoio do presidente Lula (PT), principal articulador político para que o país recebesse o evento sobre o clima. 

Além disso, o governador do Pará, Helder Barbalho (MDB), também é aliado de Lula com a presença do irmão e presidente estadual da sigla, Jader Barbalho Filho, no primeiro escalão do governo federal. Barbalho Filho é ministro das Cidades, mas apesar da aliança em Brasília, o MDB lançou o ex-secretário estadual Igor Normando, primo dos irmãos Barbalho, como pré-candidato a prefeito da capital nas eleições de 2024, depois de não haver consenso com o PT e Psol sobre a coligação.

A COP-30 deve entrar na pauta do pleito em Belém tanto pelas discussões sobre o meio ambiente em plena região amazônica como pela falta de infraestrutura para sediar o evento no Norte do Brasil. Acusado de “anticlima”, o pré-candidato de Bolsonaro critica a captura da pauta ambiental pela esquerda e rebate “a narrativa criada” pelos adversários políticos no ano eleitoral, que antecede o evento em novembro de 2025.

COP-30 vai mobilizar debates nas eleições municipais em Belém.

“Não é só nesta questão que eles criam narrativas. Ninguém é ‘anticlima’, nenhum brasileiro que ama o país. É diferente uma discussão séria para que a gente possa manter o verde, o mar, nossas águas doces e mananciais sem que a gente prejudique o crescimento, o desenvolvimento [econômico] e a geração de empregos. Esse é o radicalismo de quem não quer sentar para discutir a situação”, rebateu o pré-candidato Éder Mauro em entrevista à Gazeta do Povo.

“Queremos que as leis possam ser cumpridas para trazer proteção ao meio ambiente sem prejudicar as pessoas que estão na terra para trabalhar”, completa. Nas redes sociais, o Psol de Belém atacou o deputado federal pelo “negacionismo bolsonarista” em publicação nesta semana após entrevista do pré-candidato do PL ao jornal Folha de S.Paulo, na qual ele declarou que não existe relação entre o “aquecimento global e o desmatamento com as enchentes que acontecem em Belém”.

O prefeito psolista Edmilson Rodrigues também criticou o adversário político. “Ele ignora que as comunidades tradicionais e o meio ambiente são pilares da nossa identidade. Ameaça a COP-30, que tanto lutamos para trazer à nossa capital, e que deu à nossa prefeitura oportunidade de poder realizar obras importantes como saneamento do Mata Fome, da Estrada Nova e do São Joaquim, que vão beneficiar mais de 500 mil belenenses”, afirmou Rodrigues pela rede social X.

No Congresso Nacional, Éder Mauro integra o grupo de parlamentares chamado pela imprensa de “bancada do garimpo” e acusa o governo petista de ser “antiagro” por defender supostos “indígenas e quilombolas” apoiados por ONGs com interesses comerciais na exploração de terras sem a fiscalização do poder público.

“Eles querem formalizar aqui nessa Casa a titularização dos remanescentes quilombolas, como fizeram com a questão indígena, por uma questão financeira, usando os quilombolas e dando migalhas pela exploração de ouro e madeira. Se um fazendeiro limpa uma juquira [mato em área abandonada] para plantar uma mandioca, ele é perseguido por esse governo antirruralista e antiagro”, discursou na Câmara dos Deputados.

Durante a viagem do casal Bolsonaro ao Pará, o ex-delegado também usou as redes sociais para criticar o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que teria bloqueado uma rodovia em direção ao município de Parauapebas (PA), onde o ex-presidente e a ex-primeira-dama participaram de um evento político. “Essa é a democracia relativa e a ditadura que os comunistas que estão no poder querem fazer no estado do Pará”, disse em vídeo postado no Instagram.

Éder Mauro diz que COP-30 é bem-vinda e que terá relação institucional com Lula

Apesar da oposição ao presidente Lula e ao governador paraense, Éder Mauro afirmou que terá uma relação institucional com os demais poderes se for eleito prefeito de Belém. “Como gestor, eu não terei problema nenhum, de forma institucional e formal, de me reunir com o governador e com o presidente para tratar das pautas da minha cidade, para correr atrás de recursos e discutir as situações de Belém, capital que está desgastada, abandonada e vive como um lixão a céu aberto com sérios problemas de saúde”, comentou ele.

O pré-candidato também criticou a atual gestão da cidade pela falta de estrutura turística para receber a conferência do clima em novembro de 2025 e confirmou que “a COP-30 será bem-vinda”, se ele for o responsável por receber o evento na capital do estado, que espera cerca de 50 mil visitantes.

“Eu tenho certeza da importância da COP-30 com líderes mundiais e cientistas presentes para discutir problemas trazidos pela questão climática. Espero que a gente possa discutir soluções não só para a questão da Amazônia, mas em relação ao mundo todo”, ponderou.

Desafeto do Psol, deputado coleciona episódios de confusão na Câmara

A polarização eleitoral entre PL e Psol na corrida eleitoral não será o primeiro embate entre o Delegado Éder Mauro e o partido de esquerda. Na Câmara dos Deputados, o deputado federal foi alvo de representações no Conselho de Ética por bate-boca e confusões envolvendo adversários políticos.

Um dos principais desafetos de Mauro é o deputado federal Glauber Braga (Psol-RJ). Os parlamentares protagonizaram duas discussões na Câmara dos Deputados com troca de acusações. Em uma delas, Braga chamou Mauro de “miliciano” e disse que o deputado tinha uma milícia no Pará. O ex-delegado respondeu que “matou muito bandido, sim, para defender a família”. 

Em março deste ano, o deputado do PL declarou que “Marielle Franco acabou” durante a sessão da Comissão de Direitos Humanos na véspera do dia em que o assassinato da vereadora carioca do Psol completou seis anos. Depois da confusão, a reunião foi suspensa. 

Éder Mauro também se envolveu em bate-boca com o deputado federal André Janones (Avante-MG), aliado de Lula nas eleições de 2022, que teve o processo arquivado por suspeita de “rachadinha” em sessão do Conselho de Ética, marcada por mais uma confusão na Câmara.



Source link

Artigos relacionados

Ministro de Lula diz que empresariado não dá bons salários

O ministro Luiz Marinho, do Trabalho e Emprego, diz que a melhoria...

Sem Bolsonaro, PL confirma candidatura de Ramagem no Rio

O deputado federal Alexandre Ramagem foi confirmado nesta segunda-feira (22) como pré-candidato...

Moraes diz que empresas contribuem para “insegurança jurídica”

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes afirmou nesta...

Justiça condenado empresário que hostilizou Zanin em aeroporto

A 6ª Vara Criminal de Brasília condenou nesta segunda-feira (22) o empresário...