Brasil

Senado aprova volta do DPVAT e liberação de R$ 15 bilhões para governo Lula



O Senado aprovou nesta quarta-feira (8) o projeto que recria o seguro obrigatório de proteção às vítimas de acidentes de trânsito, o DPVAT, e a liberação de R$ 15 bilhões para o governo Lula (PT). A votação foi possível após um acordo entre os senadores. A proposta foi aprovada com o mínimo de votos necessários, o placar ficou em 41 a 21.

O Projeto de Lei Complementar (PLP) 233/23 foi apresentado pelo Executivo. Agora, o texto segue para a sanção presidencial. Os senadores rejeitaram todos os destaques que pretendiam alterar o texto-base aprovado.

O DPVAT foi extinto no governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), em 2020. Na ocasião, o Executivo argumentou que a medida tinha como objetivo evitar fraudes e amenizar os custos de supervisão e de regulação do seguro por parte do setor público, atendendo a uma recomendação do Tribunal de Contas da União (TCU).

Desde 2021, a Caixa Econômica Federal opera de forma emergencial o seguro após a dissolução do consórcio de seguradoras privadas que administrava o DPVAT.

O novo DPVAT será retomado com o nome de SPVAT (Seguro Obrigatório para Proteção de Vítimas de Acidente de Trânsito) e será administrado pela Caixa. Os donos de veículos automotores deverão realizar o pagamento uma vez por ano.

Segundo o senador Jaques Wagner (PT-BA), relator da proposta e líder do governo no Senado, a tarifa ficará entre R$ 50 e R$ 60, a partir de 2025. O valor será definido pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP).

“Jabuti” no projeto vai antecipar R$ 15,7 bilhões ao governo

Os parlamentares acrescentaram no projeto do DPVAT um “jabuti”, jargão usado no Congresso para um assunto que não tem relação direta com o tema inicial da proposta, para antecipar R$ 15 bilhões ao governo federal. Durante a sessão desta tarde, senadores da oposição se manifestaram contra a inclusão do crédito.

O valor poderá ser destinado ao pagamento de emendas de comissão, principalmente antes da análise dos vetos presidenciais, marcada para quinta-feira (9). Em janeiro, Lula sancionou o Orçamento de 2024 com veto de R$ 5,6 bilhões às emendas de comissão dos parlamentares.

O arcabouço fiscal em vigor autoriza a liberação de recursos ao governo apenas depois do segundo resultado bimestral com arrecadação acima do esperado. Com a aprovação do projeto, o valor será antecipado.



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...