Brasil

senadores apontam ‘exploração predatória’ da empresa



A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Braskem, que investiga o colapso de minas de sal-gema em Maceió, capital de Alagoas, encerrou nesta terça-feira (14) a fase de depoimentos. O relatório final será apresentado pelo relator Rogério Carvalho (PT-SE), nesta quarta-feira (15).

Durante depoimento do vice-presidente da Braskem, Marcelo de Oliveira Cerqueira, senadores da CPI concluíram que houve “exploração predatória” e o descumprimento pela mineradora. O relator alegou que empresa “retirou mais sal do que a capacidade de segurança dos poços”.

“A causa foi gerada pela Braskem e pela produção de minério, e só tem um motivo: tirar mais sal do que o permitido, tirar mais sal do que o plano de aproveitamento econômico da mina”, declarou Rogério Carvalho.

Segundo o vice-presidente da Braskem, “não houve extração superior ao projetado pela mineradora”. “Consultei também as equipes sobre a história da extração, e a informação que me foi passada é “não”. O limite de extração foi respeitado durante o período da extração de sal”, afirmou Cerqueira.

Dados encaminhados à CPI indicam que houve corte de R$ 52 milhões, entre 2015 e 2017, em investimentos na mina de sal-gema em Maceió. No entanto, o vice-presidente disse não se lembrar de nenhum corte orçamentário que tenha sido feito e reforçou que a segurança foi tratada como uma diretriz inegociável, “e o investimento de segurança sempre foi priorizado na companhia”.

Antes do depoimento de Marcelo Cerqueira, a CPI inquiriu o engenheiro Paulo Roberto Cabral de Melo, responsável técnico pelas minas de exploração de sal-gema. Melo, porém, decidiu não responder aos questionamentos dos senadores. O engenheiro foi beneficiado com um habeas corpus (concedido pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes) que garantiu-lhe o direito de permanecer em silêncio nas perguntas que pudessem incriminá-lo.

Em dezembro do ano passado, a Polícia Federal cumpriu 14 mandados de busca e apreensão contra a petroquímica Braskem por supostas irregularidades na extração de sal-gema em Maceió (AL), que levou ao afundamento do solo em diversos bairros e ao colapso de uma das minas.

A exploração de sal-gema na capital alagoana era realizada entre os anos de 1976 a 2019 e levou a uma “severa instabilidade no solo” de bairros como Pinheiro, Mutange, Bebedouro e adjacências. “Tornando a área inabitável, tendo em vista os riscos de desmoronamento de casas, ruas e fechamento do comércio, levando mais de 60 mil pessoas a terem que deixar os bairros”, diz a polícia.

Segundo a PF, os investigados podem responder pelos crimes de poluição qualificada, usurpação de recursos da União, apresentação de estudos ambientais falsos ou enganosos, inclusive por omissão, entre outros delitos. *Com informações da Agência Senado



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...