Brasil

STF quer incluir no Orçamento valor extra maior para assesores de juízes



Durante a discussão semana passada na Comissão Mista de Orçamento (CMO) sobre a revisão da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) deste ano para permitir socorro financeiro ao Rio Grande do Sul após as devastadoras enchentes, por pouco não foi incluída na proposta vitoriosa do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) benesses a servidores do Supremo Tribunal Federal (STF).

O presidente da STF, ministro Luís Roberto Barroso, fez duas solicitações a Lula para que fossem criados 160 cargos comissionados, além de mais que dobrar uma gratificação a assessores de gabinetes dos 11 juízes, levando o valor extra para mais de R$ 3 mil a título de retenção de auxiliares tidos como mais qualificados. Diante da má reação dos parlamentares, o relator da proposta na comissão, deputado Jonas Donizette (PSB-SP), optou por tirar o trecho que beneficiava os servidores da Corte. A alteração na LDO em favor do Rio Grande do Sul acabou confirmada durante a sessão do Congresso na última quinta-feira (9), mas a solicitação de criação de cargos comissionados no tribunal ainda poderá ser apreciada em outra ocasião.

As 160 funções comissionadas representam
um custo estimado de R$ 22 milhões ao longo de três anos. Pelas contas da Corte,
o custo será de R$ 6,5 milhões neste ano, R$ 7,7 milhões em 2025 e R$ 7,8
milhões em 2026. O STF alega que a criação de funções comissionadas não
provocará qualquer aumento de despesas. A proposta de Barroso prevê realocar
recursos orçamentários, mas não indica quais as áreas sofrerão cortes para
cobrir o bônus.

Barroso enviou em março uma minuta de projeto de lei ao Ministério do Planejamento, responsável pelas questões orçamentárias, para alterar o regime de funções comissionadas do STF. Ele deseja que os comissionados lotados nos gabinetes dos ministros sejam todos classificados como “assistentes VI”, identificados pela sigla FC-6. Com essa mudança, a gratificação de cargos de confiança subiria então de R$ 1.461,81 para R$ 3.259,70.

Hoje, os assessores que atuam nos
gabinetes dos ministros recebem, além da função comissionada, salários brutos
entre R$ 10 mil e R$ 46 mil. A chamada função FC-6 que passaria a ser paga aos funcionários
beneficiaria na prática apensa sete servidores. Somente concursados podem
ocupar essas funções comissionadas “de confiança”. É comum que servidores do
tribunal sejam submetidos a uma seleção interna para trabalhar nos gabinetes dos
ministros e, desta forma, incrementar os seus vencimentos.

A proposta encaminhada por Barroso, que já foi acolhida ao governo na prática, prevê remanejar aqueles que recebe comissão FC-3 e FC-4 para áreas administrativas do STF, de modo a concentrar os 160 novos FC-6 nos gabinetes. Em sua justificativa apresentada ao governo, o presidente da Suprema Corte argumentou que os valores pagos atualmente aos servidores FC-3 e FC-4 a título de comissão é pouco atraente em razão do elevado volume de trabalho deles nos gabinetes dos magistrados.

“A manutenção dos valores de funções
comissionadas no patamar atual tem resultado na dificuldade de manter
servidores nos gabinetes, que preferem ser lotados em outras unidades do tribunal
com rotinas menos extenuantes, embora sem qualquer compensação financeira”,
justificou Barroso.

Caso o projeto enviado pelo governo seja aprovado pela CMO e, depois, pelo Congresso, caberá então aos ministros escolherem os respectivos ocupantes dos cargos que serão abertos.  “É necessário aumentar o valor das funções comissionadas que estão localizadas nos gabinetes, estimulando a retenção de profissionais mais qualificados para o auxílio dos ministros, o que tem resultado direto na qualidade da prestação jurisdicional constitucional”, sublinhou Barroso na minuta entregue ao Planejamento.

PEC do quinquênio terá custo de R$ 42 bilhões

Enquanto o STF tenta obter vantagens
salariais para seus principais assessores de ministros, o Senado continua levando
adiante a proposta de emenda à Constituição (PEC) para garantir reajustes
extras e automáticos de 5% a cada cinco anos para todos os magistrados e outras
categorias de servidores. A chamada PEC do Quinquênio, proposta pelo presidente
do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pode gerar impacto financeiro
de até R$ 42 bilhões sobre as despesas da União, segundo contas da Instituição
Fiscal Independente (IFI), vinculada ao Senado.

Conforme parecer assinado pelo analista Alessandro Casalecchi e divulgado na semana passada, o impacto fiscal da PEC 10/2023 é crescente e o valor não entraria na conta do teto salarial dos servidores públicos. Se considera apenas o pagamento do quinquênio para membros do Judiciário e do Ministério Público (MP), como previa o texto original, o acréscimo sobre despesas remuneratórias seria de R$ 5,2 bilhões anuais, sendo R$ 3,1 bilhões para magistrados, incluindo aposentados e a pensionistas. Mas se contar as 13 carreiras incluídas pelo relator Eduardo Gomes (PL-TO), o impacto anual sobe para R$ 42 bilhões.

O texto foi aprovado em abril pela
Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e pode ser votado em plenário nos
próximos dias. A PEC 10/2023 passou pela quinta sessão de discussão na última
quarta-feira (8). Para ser aprovada pelo plenário, a matéria depende do aval de
três quintos dos senadores (49) em dois turnos de votação. Segundo o Pacheco, a
matéria só deve voltar à pauta para votação em Plenário após decisão dos
líderes partidários.



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...