Brasil

Toffoli restaura decisões da Lava Jato que beneficiam Sérgio Cabral



Em decisão proferida nesta semana, o ministro do Supremo
Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli atendeu a um pedido do ex-governador do Rio
de Janeiro Sérgio Cabral e restaurou decisões tomadas sobre ele pelo ex-juiz da
Lava Jato Eduardo Appio. Na prática, Toffoli restabeleceu decisões judiciais
que beneficiam Cabral, e que haviam sido anuladas após uma correição parcial do
TRF-4.

Na decisão, assinada na última segunda-feira (6), o ministro
afirma que Cabral “responde a imputações penais decorrentes da Operação Lava
Jato, tendo sido beneficiado por uma decisão em trâmite perante a 13ª Vara
Federal de Curitiba que restou anulada, sem que lhe tenha sido dada nesse
procedimento correcional qualquer oportunidade de defesa”.

Situação de Cabral seria semelhante à de empresário beneficiado por decisão anterior de Toffoli

Os advogados do ex-governador apontaram, no pedido feito ao STF,
que Cabral estaria em uma situação semelhante à do empresário Raul Júnior.
Neste caso, Toffoli reconheceu que a denúncia feita no âmbito da Lava Jato
estaria baseada em dados obtidos pelo Ministério Público Federal sem
autorização judicial.

Por isso, alegou a defesa de Cabral, os efeitos da decisão que beneficiou o empresário deveriam ser estendidos ao ex-governador. A demanda foi atendida por Toffoli, que classificou como “inegável a identidade de situações jurídicas, relativamente à nulidade das decisões que cassaram provimento jurisdicional favorável ao requerente, proferido no âmbito de persecução penal”.

Em 2023, Toffoli anulou suspeição de Appio

Em setembro de 2023, Dias Toffoli anulou a suspeição do juiz Eduardo Appio, que estava afastado do comando na 13º Vara Federal de Curitiba por força de uma investigação que apurou supostas ameaças ao filho do desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) Marcelo Malucelli.

À época, o ministro do STF suspendeu o andamento do processo administrativo disciplinar no TRF-4 e deixou a investigação do caso a cargo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em acordo feito durante uma audiência de mediação com o corregedor nacional de Justiça, ministro Luis Felipe Salomão, Appio admitiu ter mantido “conduta imprópria” durante o tempo em que comandou a Lava Jato em Curitiba.

Após o acordo, o CNJ determinou o arquivamento das investigações contra Appio. O juiz foi, então, transferido para a 18ª Vara Cível da Justiça Federal, também em Curitiba, responsável por processos referentes a benefícios previdenciários assistenciais e por incapacidade.



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...