Brasil

TSE acelera processo de Moro para julgamento antes da saída de Moraes



Depois da absolvição do senador Sergio Moro (União-PR) por suposto abuso de poder econômico nas eleições de 2022 no Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), em abril, a possibilidade do julgamento dos recursos pela cassação do mandato no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) durante a presidência do ministro Alexandre de Moraes havia sido praticamente descartada por advogados e integrantes dos partidos envolvidos nas ações de autoria do PL e da Federação PT-PV-PCdoB.

Receba as principais notícias do Paraná pelo WhatsApp

O mandato de Moraes como presidente do TSE termina no dia 3 de junho e a tendência era que a ministra Cármen Lúcia ficasse com a responsabilidade de pautar as sessões de julgamento, que podem arquivar definitivamente as denúncias ou cassar o mandato de Moro. Esta segunda opção o tornaria inelegível pelo período de oito anos.

Porém, o julgamento teve data marcada para começar na próxima quinta-feira (16), com continuação prevista para o dia 21. Nos bastidores, a confirmação das datas do julgamento no plenário da Corte em Brasília, dois dias após o parecer da Procuradoria Geral Eleitoral (PGE), surpreendeu advogados, políticos e especialistas em direito eleitoral. Fontes ouvidas pela Gazeta do Povo classificaram o ritmo da tramitação do processo no Tribunal Superior como “inédito”, “anormal” e “atípico”.

Tramitação do processo de Moro para julgamento no TSE surpreendeu e é considerada atípica pela comunidade jurídica.

“Em 15 dias, pautar é uma agilidade quase inédita”, disse um jurista que acompanha o processo ao se referir sobre o período entre os recursos, distribuição para relatoria, parecer da PGE e agendamento das sessões.

Após a absolvição de Moro no TRE-PR por 5 a 2 no dia 9 de abril, os recursos do PL e da Federação encabeçada pelo PT foram encaminhados ao TSE no dia 22 de abril, data final do prazo recursal. Os processos foram distribuídos no último dia 2 para a relatoria do ministro Floriano de Azevedo Marques, que abriu prazo para manifestação da PGE, que na terça-feira (7) se manifestou contra a cassação de Moro. Na quinta-feira (9), Azevedo Marques liberou os recursos para o julgamento no plenário do TSE.

Um advogado especialista em direito eleitoral disse à Gazeta do Povo que a celeridade dos recursos foi surpreendente e que não recorda de nada igual em Tribunais Superiores. “O parecer do Ministério Público e na sequência, o processo já foi pautado em julgamento, isso foi muito rápido”, afirmou o jurista.

Nos bastidores, é consenso que o objetivo de Moraes é que o julgamento de Moro comece e termine durante o final do mandato dele no TSE, mas ninguém arrisca o que pode acontecer nas sessões e os interlocutores dos partidos consideram que o resultado é uma incógnita.

Uma das fontes ouvidas chegou a relatar uma certa desconfiança na resolução imediata com tendência de arquivamento do recurso, que foi alvo de discussões internas no PL por conta da posição do ex-presidente Jair Bolsonaro, contra a continuidade do processo no TSE após a absolvição no Paraná.

Por outro lado, um parlamentar da Federação PT-PV-PCdoB disse que “o processo não seria acelerado, se fosse para inocentar” o ex-juiz da Lava Jato, mas admitiu que os partidos não esperavam que o julgamento fosse realizado, imediatamente. Ele aposta que o desfecho do caso pode ser parecido com o do ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Novo), que foi inocentado de maneira unânime no TRE-PR, mas perdeu o mandato em julgamento no TSE após o recurso da Federação.

Mesmo durante o processo no Paraná, Moraes já indicava a tendência de acelerar a tramitação das ações contra Moro. Em fevereiro, o presidente do TSE determinou regime de urgência para inclusão da lista tríplice paranaense na pauta da primeira sessão do ano da Corte em Brasília. A assinatura do despacho ocorreu no dia 20 de janeiro, um sábado, durante o recesso do Judiciário.

À época, a cadeira de jurista do TRE-PR estava vaga com necessidade da nomeação de um novo juiz eleitoral para o quórum completo da Corte, obrigatório para o julgamento de processos que envolvem cassação de mandato. O advogado José Rodrigo Sade foi escolhido e nomeado por Lula (PT) como o novo desembargador.

Caso Seif: cinco meses para julgamento no TSE e adiamento a pedido de Moraes

O senador catarinense Jorge Seif (PL-SC) também foi acusado por abuso de poder econômico durante a campanha de 2022, pelo suposto uso irregular de  helicóptero, estrutura material e pessoal das lojas Havan. A ação foi protocolada pela coligação “Bora Trabalhar” formada pelos partidos Patriota, PSD e União Brasil.

No início de novembro de 2023, o Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina (TRE-SC) rejeitou o pedido de cassação por unanimidade da Corte. No final de janeiro, o TRE-SC julgou o último recurso da defesa de Seif na primeira instância, antes do encaminhamento do processo ao TSE no início de fevereiro. Em março, a Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE) deu parecer favorável ao recurso pela cassação de Seif. 

O julgamento teve início no dia 4 de abril, mas foi suspenso pelo presidente da Corte, Alexandre de Moraes, após a manifestação dos advogados das partes e do vice-procurador-geral eleitoral, Alexandre Espinosa Barbosa. No dia 16 de abril, o julgamento foi novamente adiado porque o relator, ministro Floriano Marques Azevedo, teve problemas familiares e não compareceu à sessão.

No último dia 30, o TSE decidiu, por maioria, ampliar as investigações sobre a possível cassação do mandato de Seif, o que levou a um novo adiamento para apreciação do processo em julgamento pelos ministros da Corte eleitoral.



Source link

Artigos relacionados

Pimenta afirma que PT foi fundamental para a eleição de Leite no RS

Paulo Pimenta procurou minimizar divergências entre o governo federal e o do...

Mesmo sem pandemia, Lula tem déficit quase tão alto quanto da Covid-19

O déficit nominal do Brasil está quase tão alto quando o do...

Ida de Tarcísio para o PL pode influenciar sucessão na presidência da Câmara

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), teria dito ao...

Proposta quer restringir investimentos estrangeiros em ONGs no Brasil

Pelo menos seis projetos de lei que tramitam no Congresso Nacional querem...