Brasil

TSE ainda não considera adiar eleição no RS e diz ter reserva de urnas


Governador do Rio Grande do Sul sugeriu debater o adiamento das eleições municipais previstas para outubro deste ano.
Governador do Rio Grande do Sul sugeriu debater o adiamento das eleições municipais previstas para outubro deste ano.| Foto: SECOM TSE

Após o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, sugerir o debate sobre a adiamento das eleições municipais previstas em outubro deste ano, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) negou qualquer mudança, no momento.

Segundo a justiça eleitoral, seria necessário a aprovação de uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) no Congresso para cancelar a eleição. A medida seria similar ao que foi aprovado no ano de 2020 para garantir o adiamento do pleito por conta da pandemia de covid-19. Na época, as eleições municipais foram adiadas para novembro. Neste ano, o primeiro turno está previsto para o dia 6 de outubro.

Pela legislação eleitoral, o pleito pode ser remarcado em caso de impossibilidade de realização da votação em um número significado de seções eleitorais. Nesses casos, cabe ao tribunal regional formalizar o pedido.

No caso do Rio Grande do Sul, o presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes, afirmou que a Corte tem capacidade para substituir as urnas eventualmente danificadas pelas enchentes.

Dados do TSE apontam que existem cerca de 15 mil urnas no depósito de Porto Alegre, sendo que apenas 5 mil seriam utilizadas nas eleições de outubro, já que as demais são de modelos antigos e por isso serão substituídas.

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS) ainda não contabilizou quantos equipamentos foram danificados. Em nota, o TRE-RS, informam que as cinco mil urnas estavam guardadas em prateleiras altas, “o que pode ter impedido de serem afetadas”. No entanto, algumas seções eleitorais foram bastante danificadas por causa das enchentes.

Ao sugerir o debate sobre o adiamento, Leite declarou que “não vai poder retardar muito essa discussão”. “Junho já é um momento pré-eleitoral e em julho se estabelecem as convenções. É um debate pertinente. O Estado estará em reconstrução, ainda em momentos incipientes, em que trocas de governos municipais podem atrapalhar esse processo. O próprio debate eleitoral pode acabar dificultando a recuperação”, disse o governador.



Source link

Artigos relacionados

Michelle Bolsonaro diz apoiar Ricardo Nunes à reeleição

Michelle Bolsonaro manifestou apoio à reeleição de Ricardo Nunes, em São Paulo.|...

Paulo Pimenta e Gleisi negam a existência de “gabinete do ódio”

O ministro Paulo Pimenta, que atualmente comanda a Secretaria Extraordinária da Presidência...

Não sabe falar sobre vida

O deputado federal Sóstenes Cavalcante (PL-RJ), autor do Projeto de Lei (PL)...

54% reprovam segurança, gastos e programa de moradias de Lula

Pesquisa revela novos indies elevados de reprovação em setores do governo Lula.|...